DESDOBRAMENTOS DAS RECOMENDAÇÕES DO BANCO MUNDIAL NA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA

  • Adriana Rocha Vilela Arantes Universidade de Brasília; Universidade Estadual de Goiás
  • José Vieira de Sousa Universidade de Brasília
Palavras-chave: Educação superior. Política educacional. Avaliação Institucional. Banco Mundial.

Resumo

O presente artigo tem como base pesquisas realizadas no Doutorado em Educação na Universidade de Brasília (UnB). O objetivo da discussão nele feita é refletir acerca das possíveis influências das recomendações do Banco Mundial (BM) para a implementação da política de educação superior brasileira, principalmente no que tange à centralidade da avaliação institucional, a partir do governo Fernando Henrique Cardoso/FHC (1995-2002). Desde então, as reformas promovidas na educação superior do Brasil têm sido influenciadas pelas recomendações dos organismos internacionais, principalmente o Banco Mundial. As conclusões da análise proposta no texto convergem para a compreensão de que, ao influenciarem as políticas educacionais brasileiras, as recomendações do BM mostram alinhamento à tendência histórica verificada no país do estímulo governamental à expansão do setor privado da educação superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BANCO MUNDIAL(1995). Prioridades y estratégias para la educación. Estudo Sectorial . Tradução de Rosana Evangelista da Cruz. Washington/DC: Banco Mundial, 1995. p. i-xxxii. https://www.scielo.br/scielo. Acesso em 09 de junh. 2020.

BANCO MUNDIAL (1999). World Bank Brasil . Brasília: Banco Mundial, 1999. Mimeog. Disponível em:https://www.scielo.br/scielo. Acesso em 09 de junh. 2020.

BANCO MUNDIAL. (2008) Conhecimento e inovação para a competitividade ). Banco Mundial; tradução, Confederação Nacional da Indústria. – Brasília: CNI, 2008.

BANCO MUNDIAL (2010). Atingindo uma Educação de Nível Mundial no Brasil: próximos passos – sumário executivo. Disponível em: http://cenpec.org.br/biblioteca/educacao/estudos-e-pesquisas. Acesso em: 23 de jan. 2018.

BANCO MUNDIAL (2017) . Um Ajuste Justo: Análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Disponível em: http://documents.worldbank.org. Acesso em 20 de jan. de 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal..

BRASIL. Lei nº 9.131(1995). 24 de novembro de 1995. Altera dispositivos da Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1. Edição extra. p. 19257. Brasília, DF, 25 nov. de 1995. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 14 dez. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394(1996). 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 248, p. 27.833-27.841, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 14 maio 2020.

BRASIL. Lei nº 10.861(2004). 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p.4, 15 abr.2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 05 jul. 2020.

BRASIL. Lei nº 10.172 (2001). 10 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 10 de janeiro de 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 05 jul. 2020.

BRASIL. Lei nº. 13.005 (2014). 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 26 jun. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 05 jul. 2020.

BRASIL. Decreto 2.306/97(1997). 19 de agosto de 1997. Regulamenta, para o Sistema Federal de Ensino, as disposições contidas no art. 10 da Medida Provisória nº 1.477-39, de 8 de agosto de 1997, e nos arts. 16, 19, 20, 45, 46 e § 1º, 52, parágrafo único, 54 e 88 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, 19 de agosto de 1997;Brasília, DF, 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 05 jul. 2020.

BRASIL. Decreto nº 6.096 (2007). 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI. Diário Oficial da União: Brasília, 24 de abril de 2007. Disponível em:. http://reuni.mec.gov.br/o-que-e-o-reuni. Acesso em: 6 dez. 2020.

BRASIL.MEC. Instituto Nacional de Pesquisas Anísio Teixeira (Inep). Disponível em:
" http://portal.inep.gov.br. Acesso em: 05 de jan. 2021.

DIAS SOBRINHO, J. (2010). Democratização, qualidade e crise da educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1223-1245, out.-dez. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 20 de dez.de 2020.

DOURADO, L.F. (2002). Reforma do Estado e as Políticas para a Educação Superior no Brasil nos Anos 90. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80 set. p. 234-252. Disponível em: http:www.cedes.unicamp.br. Acesso em 20 de abril de 2012.

FRIGOTTO, G. (2011). Os Circuitos da História e o Balanço da Educação no Brasil na Primeira Década do Século XXI. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 46, p. 235-254, jan./abr.

HARVEY, D. (2011). O enigma do capital e as crises do capitalismo. Lisboa: Bizâncio.

LEHER, R. (2017). Banco Mundial: ajuste regressivo e antidemocrático. Entrevista Correio da Cidadania. 28/11/2017.

LIMA, K. R.de S (2011). O Banco Mundial e a educação superior brasileira na primeira década do novo século. Revista katálysis, Florianópolis, v. 14, n. 1, p. 86-94, Jun. Disponível em : http://www.scielo.br. Acesso em 28. dez. de 2020.

MARX, K. (1985). A miséria da filosofia. São Paulo: Global.

MINTO, L.W (2018). Educação superior no PNE (2014-2024): apontamentos sobre as relações público-privadas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. Acesso em 28 Dez. 2020.

MOTA JUNIOR, W.P (2019). O Banco Mundial e a contrarreforma da educação superior brasileira no governo Lula da Silva (2003-2010). Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 24, n. 1, p. 213-233, mar. Disponível em:. https://doi.org/10.1590/s1414-407720190001000012. Acesso em 26 de dez. 2020.

SGUISSARDI, V. P. (2015). Educação superior no brasil. Democratização ou massificação mercantil? Educação & Sociedade. Campinas, v. 36, nº. 133, p. 867-889, out. Dez. Disponível em https://www.scielo.br. Acesso em 02 de jan.2021.

SILVA. M. A. (2003) Do projeto político do Banco Mundial ao projeto político-pedagógico da escola pública brasileira. Caderno Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, p. 283-301, dezembro 2003.
SQUIRRA, S. (2005). Sociedade do Conhecimento. In MARQUES DE MELO, J.; SATHLER, L.. Direitos à Comunicação na Sociedade da Informação. São Bernardo do Campo, SP: UMESP p. 253-274.
VERHINE, R. & DANTAS, L.M.V.& SOARES, J.F. (2006). Do Provão ao ENADE: uma análise comparativa dos exames nacionais utilizados no Educação superior Brasileiro. Ensaio, Rio de Janeiro, v. 14, n. 52, p. 291-310, Set. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. Acesso em: 04 Ja
Publicado
2021-11-24
Como Citar
Rocha Vilela Arantes , A., & Vieira de Sousa, J. (2021). DESDOBRAMENTOS DAS RECOMENDAÇÕES DO BANCO MUNDIAL NA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA. <font color="#A31C25">Revista FORGES </Font&gt;, 7(2), 106 - 127. Obtido de https://revistaforges.pt/index.php/revista/article/view/162
Secção
ARTIGOS