A EFETIVIDADE DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA O ENSINO SUPERIOR DOS ESTADOS SOCIAIS BRASILEIRO E FINLANDÊS: APROXIMAÇÕES OU DISTANCIAMENTOS?

Palavras-chave: Política educacional, Efetividade, Educação comparada

Resumo

Este artigo é resultado de um estudo qualitativo, de caráter exploratório, com pesquisa documental e bibliográfica. O objetivo foi analisar a efetividade e os principais aspectos das políticas educacionais, especialmente para o Ensino Superior, de dois Estados sociais: Brasil e Finlândia, buscando as aproximações e os distanciamentos entre as suas políticas da educação, instituintes e regulatórias, com recorte temporal de 1970 a 2020. Trata-se de um estudo comparado, nas perspectivas dos educadores comparativistas Lourenço Filho (2004); Nóvoa (2017); Olmos e Torres (2012); Rezende et al (2013). Para compreensão das reformas finlandesas, obras de reformadores educacionais da Finlândia, tais como a de Sahlberg (2018) e Aho et al (2006), deram suporte às análises realizadas. A fundamentação teórica é o da administração escolar, ou de sistemas educacionais, em Paro (2012). Os resultados evidenciam a maneira como políticas públicas podem ser conduzidas e classificadas dentro da esfera pública: para além do exercício político de um determinado partido (políticas de Estado) ou para vigorar apenas durante mandatos governamentais de interesse de elites econômicas (políticas de governo).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AHO, E., PITKÄNEN, K. & SAHLBERG, P. (2006). Policy development and reform principles of basic and secondary education in Finland since 1968. Washington, EUA: The World Bank.

ARRETCHE, M. T. S. & BRANT, M. C. (2006). Tendências no estudo sobre avaliação. IN E. M. RICO (Ed). Avaliação de política sociais: uma questão em debate (29-39). São Paulo: Cortez, IEE.

BANCO MUNDIAL (2020). GDP per capital (current US$). Acedido em 12 de outubro de 2020, em https://data.worldbank.org/indicator/ny.gdp.pcap.cd?most_recent_value_desc=true.

BRASIL (2016). Constituição da República Federativa do Brasil. Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas.

BRASIL (2005). Ministério da Educação e Cultura. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBEN. Lei nº.9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. Brasília: Subsecretaria de Edições Técnicas.

COLLARES, C. A. L., MOYSÉS, M. A. A. & GERALDI, J. W. (1999). Educação continuada: a política da descontinuidade. Educação & Sociedade, ano XX, nº 68. Acedido em 10 de outubro de 1999, em https://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a11v2068.pdf.

FINLÂNDIA (2020). Statistics. Helsinki, Filândia: The National Statistical Service. Acedido em 2 de outubro de 2020, em https://www.stat.fi/til/index_en.html.

FINLÂNDIA (1999). The Constitution of Finland. 731/1999, amendments up to 1112/2011 inclued.Finland: Ministry of Justice. Acedido em 25 de setembro de 2020, em https://www.constituteproject.org/constitution/Finland_2011.pdf?lang=en.

FREIRE, P. (1994). Educação como Prática de Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GIOVANNI, G. D. & NOGUEIRA, M. A. (2018). Dicionário de políticas públicas. (3ª ed). São Paulo, Brasil: Editora UNESP.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2020). Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação. Brasília: IBGE, 2020. Acedido em 1 de outubro de 2020, em https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/.

INEP - INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (2020). Sinopses Estatísticas da Educação Superior – Graduação. Brasília: INEP, 2020. Acedido em 10 de outubro de 2020, em http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior.

LOURENÇO FILHO, M. B. (2004). Educação Comparada. Org. Ruy Lourenço Filho, Carlos Monarcha. (3ª Ed) Brasília: MEC/INEP.

NÓVOA, A. (2017). Ilusões e Desilusões da Educação Comparada: Política e Conhecimento. Dossier temático Entre Paris e Pisa. Acedido em 10 de setembro de 2020, em https://www.fpce.up.pt/ciie/sites/default/files/ESC51_Antonio.pdf.

OLMOS, L. E. & TORRES C. A. (2012). Teorias do estado, expansão educacional, desenvolvimento e globalizações: abordagens marxista e crítica. IN R. COWEN, A. KAZAMIAS & E. ULTERHALTER. Educação comparada: panorama internacional e perspectivas (97-114). Volume 1. Brasília: UNESCO, CAPES.

PARO, V. H. (2012). Administração escolar: introdução crítica. (17ª Ed) São Paulo: Cortez.

PNUD (2020) - PROGRAMA DE LÃS NACIONES UNIDAS PARA EL DESARROLLO. Informe sobre Desarrollo Humano 2019. Nueva York, EUA: Programa de lãs Naciones Unidas para el Desarrollo, 2019. Acedido em 10 de agosto de 2020, em http://hdr.undp.org/sites/default/files/hdr_2019_es.pdf.

REZENDE, V. M., ISOBE, R. M. & MOREIRA, F. A. (2013). Investigação comparada em educação: aspectos teóricos e metodológicos. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 2, n. 1 – jan./jul. Acedido em 10 de junho de 2020, em http://www.seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/24068.

SAHLBERG, P. (2018). Lições Finlandesas 2.0. São Paulo: SESI-SP Editora.

SANTOS, P. S. M. B. (2016). Guia prático da política educacional no Brasil. Ações, planos, programas e impactos. (2ª Ed). São Paulo: Cengage Learning.

SGARBOSSA, L. F. & IENSUE, G. (2018). Teoria do Estado Moderno e Contemporâneo: fundamentos do Direito Público e do Direito Constitucional. Campo Grande, Brasil: Instituto Brasileiro de Pesquisa Jurídica.

Tonet, I. Educação contra o capital. (3ª ed). São Paulo, Brasil: Instituto Lukács.
Publicado
2021-11-24
Como Citar
Yabe, M., & Prado, E. C. do. (2021). A EFETIVIDADE DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA O ENSINO SUPERIOR DOS ESTADOS SOCIAIS BRASILEIRO E FINLANDÊS: APROXIMAÇÕES OU DISTANCIAMENTOS?. <font color="#A31C25">Revista FORGES </Font&gt;, 7(2), 10 - 23. Obtido de https://revistaforges.pt/index.php/revista/article/view/122
Secção
ARTIGOS